Como o fim da Copa do Mundo e aquela overdose de jogos, o mundo do esporte se voltou para uma única, e exclusiva notícia, a contratação midiática do astro português Cristiano Ronaldo pela Juventus, da Itália por 100 milhões de Euros.  Falar da carreira do craque dentro das quatro linhas é chover no molhado, campeão de tudo pelos clubes que passou, ainda abocanhou cinco vezes o prêmio de melhor jogador do mundo pela FIFA.

Sua imagem de vencedor é cultuada através das redes sociais, seu perfil no Instagram já passou da casa dos 136 milhões de seguidores, sendo o jogador de futebol mais seguido da plataforma. Seguido pelo brasileiro Neymar, que atualmente está com 100 milhões, e pelo argentino Messi, com 97 milhões.

O fenômeno CR7 já é sentido nas redes sociais do próprio clube, que obtiveram 1,5 milhões de novos seguidores após a contratação o craque. No Twiter, o número chegou a 1,1 milhões, alto relevante, se tratando da quarta rede social mais acessada. Já no Facebook, o impacto foi menor, e atingiu apenas “500 mil” novos seguidores.

Se por um lado as redes sociais da Juventus “bombaram”, os fãs do Real Madrid, antigo clube do astro, deixaram de seguir as informações do clube espanhol no Twitter. Somente nas primeiras 24 horas, cerca de 1 milhão de usuários deixaram acompanhar o clube. Isso sem contar que o atleta ainda nem estreou com a camisa bianconera.

f1c2oeaop0u99kpuuqxfw67c3

Se há fãs e seguidores, há também compradores e consumidores dos produtos do craque, e também do clube em que ele atua. Desde o anúncio da sua transferência foram vendidas mais de 500 mil camisetas com o nome do atleta nas costas, gerando um faturamento de aproximadamente 65 milhões de dólares aos cofres do clube italiano. Para se ter uma ideia, na última temporada inteira, a Juve vendeu 850 mil camisetas do elenco todo.

Além disso, as ações do clube na Bolsa de Valores de Milão aumentaram quase 40%, fazendo o clube ganhar cerca de 200 milhões de euros apenas com a notícia da contratação do craque.

Diante destes números, podemos constatar que a contratação foi um golaço da atual administradora do clube, pois o Cristiano se paga sozinho, vendendo seus produtos e abrindo novas frentes de negócios.  Hoje ele é mais que um jogador, ele é uma marca.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima